Goodreads

Destaques

0 O Homem de Giz | Opinião


Wook.pt - O Homem de GizToda a gente tem segredos...


Tudo aconteceu há trinta anos, e Eddie convenceu-se de que o passado tinha ficado para trás. Até ao dia em que recebeu uma carta que continha apenas duas coisas: um pedaço de giz e o desenho de uma figura em traços rígidos. À medida que a história se vai repetindo, Eddie vai percebendo que o jogo nunca terminou.

Um mistério em torno de um jogo de infância que enveredou por um caminho perigoso.

Um livro diferente dentro do género thriller, uma vez que combina o psicológico com um toque de Stephen King e umas pinceladas de Irvine Welsh.

Autor: C. J. Tudor  
Editor: Editorial Planeta (Abril, 2017)
Género: Thriller
Páginas: 320
Original: The Chalk Man (2018) 


opinião
★★★☆☆

Se o livro é bom? Sim.
Se merece tanto mediatismo e elogio? Nem por isso.

O Homem de Giz só funciona porque o narrador não é honesto connosco, fazendo questão de esconder bem o que sabe e de fazer suspense até ao fim. Assim, os seus segredos, junto com o que cada uma das outras personagens esconde acabam por formar a imagem completa que desvenda o mistério. E é graças à maneira misteriosa com que o enredo foi construído que nos mantemos entretidos com o livro até ao final. Se gostei da componente gráfica e da atmosfera nebulosa do livro também é verdade que fiquei desiludida com o fraco desenvolvimento dos personagens, da previsibilidade de alguns desenvolvimentos e da pouca verosimilhança de outros.

… O resto foi estratégia publicitária. E, neste caso, funcionou lindamente.

Frases preferidas:
* Parece que com a religião é assim. Homicídio, violação, massacre e mutilação, tudo pode ser perdoado desde que a pessoa se arrependa. Nunca me pareceu junto. Mas, tal como a vida, Deus também não é justo. - 163

* Em muitos casos, aquilo que nos define não é o que fazemos, mas sim as nossas omissões. Não estou a famlar de mentiras, mas de verdades que não se dizem - 164

* (…) ser uma pessoa boa nada tem a ver com entoar hinos nem rezar a um qualquer deus mítico. Não é usar um crucifixo nem ir todos os domingos à igreja. Uma pessoa boa não precisa de religião porque está em paz consigo mesma ao fazer o que deve ser feito. - 177


* (…) os boatos são como os germes. Espalham-se e multiplicam-se num abrir e fechar de olhos, e antes que se dê por isso já toda a gente está contaminada - 192





Nenhum comentário:

Postar um comentário