Goodreads

Destaques

0 2084. O Fim do Mundo | Opinião


Um romance-fábula aterrador, inspirado em 1984, de George Orwell, sobre o estabelecimento de uma ditadura religiosa de raiz muçulmana.

A globalização vai conduzir o Islamismo ao poder, por todo o mundo, dentro de 50 anos, a começar pela Europa - é a previsão do escritor argelino Boualem Sansal, em 2084, um romance-fábula, aterrador, inspirado em 1984, de George Orwell, sobre o estabelecimento de uma ditadura religiosa.

Segundo Sansal - Grande Prémio da Francofonia da Academia Francesa, em 2013 -, os três totalitarismos imaginados por Orwell coincidiram na globalização financeira de hoje, que vai a breve prazo ser tomada pelo Islamismo. É a primeira vez que afirmações desta dimensão são proferidas por um autor de educação muçulmana, que vive na Argélia. O Abistão, imenso império, deriva do nome do profeta Abi, «representante» e «delegado» de Yölah, na Terra. O seu sistema de vida baseia-se na amnésia - e na submissão a um deus único, cruel e todo-poderoso. Qualquer pensamento pessoal é banido; um sistema de vigilância omnipresente permite às autoridades conhecer as ideias e os «atos desviantes».

Oficialmente, o povo vive na maior das felicidades, proporcionada por uma fé religiosa inquestionável. A personagem central, Ati, questiona as certezas impostas pelos dirigentes políticos e imãs, lançando-se, então, numa investigação para descobrir um povo suspeito, renegado, que vive em guetos desconhecidos, ao arrepio do poder das autoridades religiosas.

Boualem Sansal constrói uma distopia violenta e macabra, que se filia diretamente em George Orwell e no seu 1984, para abordar o poder, o alcance e a hipocrisia do radicalismo religioso muçulmano que ameaça as nossas democracias.


Autor: Boualem Sansal
Editor: Quetzal Editores (Maio, 2016) 
Género: Romance
Páginas: 280
Original: 2084. La fin du monde (2015) 
 Prémio da Academia Francesa. 

opinião
★★☆☆☆
Estranhamente, apesar da importância da mensagem que "2084. O Fim do Mundo" transmite e das belíssimas e profundas reflexões que o constituem, para mim, o resultado final não foi uma história interessante de se ler.

No Abistão, tudo é bem controlado e filtrado; nada pode ocorrer fora da vontade do Aparelho. As guerras são recorrentes, espontâneas e misteriosas. O inimigo está por todo o lado. As restrições são asfixiantes. A ignorância é geral e até o idioma foi depauperado para controlar e limitar o pensamento do povo - um povo que cada vez acredita mais cegamente. Depois de dois anos afastado a viver no sanatório, Ati tenta a reinsereção na sociedade e acaba por fazer uma descoberta que poderá desmoronar os fundamentos simbólicos do Abistão.

É neste ambiente distópico que Sansal se debruça sobre a ameaça que o radicalismo religioso representa para a democracia; como este fanatismo transforma a religião numa intolerância bem controlada, mantida pelo terror omnipresente.

Apesar de valorizar sempre um livro que me deixa a pensar, fiquei ligeiramente desiludida com 2084 devido à construção do livro: com um ritmo por vezes dolorosamente lento e pouca ação, o excelente conceito que Sansal pretende desenvolver é interpretado por personagens ocas e de um modo que resulta numa perceção algo abstrata que impede que o livro tenha o impacto que poderia ter. 

frases preferidas:
O olhar dos povos é assim, remansoso e realmente pouco imaginativo. - 19

Quem acredita tem medo e quem tem medo acredita cegamente, que melhores instrumentos do que a esperança e o fantástico para amarrar os povos às suas crenças? - 26

A submissão gera a revolta, e a revolta resolve-se na submissão - 49

Foi em todos instalado um espírito bizarro e retorcido que pensa a vida, a paz, a verdade, a fraternidade, a doce e tranquilizadora perenidade, ornamentando-as de todas as virtudes, mas que só as busca - e com que paixão - através da morte, da destruição, da mentira, da malícia, do jugo, da perversão, da agressão brutal e injusta - 49

Quanto mais se diminui os homens, mais estes se imaginam grandes e fortes - 50

Correr em direção à queda é uma inclinação muito humana - 55

A espera é fonte de angústia e de interrogações - 56

Isto quer dizer que onde quer que ponhamos os pés neste país, caminhamos sobre cadáveres - 59

A liberdade residia nisso, na perceção de que não somos livres mas possuímos o poder de nos bater até à morte por sê-lo - 46

Na presença de lobos é preciso uivar ou fazer de conta que se uiva, balir é a última coisa a fazer - 91

Uma dor que tem nome é uma dor suportável, a própria morte pode ser vista como um remédio se soubermos identificar correctamente as coisas - 130

A esperança é assim, contraria o princípio da realidade - 130

O hábito suprime o que nos atormenta - 159

A vida é uma interrogação, nunca uma resposta - 160

A liberdade é um caminho de morte neste mundo, ela magoa, perturba, profana - 192

A ingenuidade, como a burrice, são um estado sempiterno - 231

Morrer na esperança de uma nova vida era pelo menos mais digno que viver desesperado de se ser morrer - 245

A religião é realmente o remédio que mata - 245

Os homens são cordeiros adormecidos e assim devem permanecer, não se deve perturbá-los… ora eis que no deserto estéril que é o Abistão se descobre uma pequena raiz de liberdade que cresce na cabeça febril de um tísico sem forças, resistindo ao frio, à solidão, ao medo abissal dos cumes, e que em pouco tempo inventa mil perguntas ímpias - 191

Que fazer quando, ao olhar para o passado, se vê o perigo a lançar-se sobre aqueles que nos precederam na História? Como avisá-los? Como dizer pelo menos aos seus próprios contemporâneos que, à velocidade a que vão, os males de ontem os atingirão bem depressa? Como convencê-los quando a sua religião os proíbe de acreditar na sua própria morte, quando estão convencidos de que o seu lugar no paraíso está reservado e espera por eles como os aposentos de um palácio? - 249

Boualem SansalBoualem Sansal nasceu em 1949, na Argélia. É formado em Engenharia e doutorado em Economia. Os seus livros têm sido aclamados no espaço francófono, mas também um pouco por todo o mundo. Sansal foi agraciado com os seguintes prémios literários, entre outros: Prémio do Primeiro Romance; Prémio Michel Dard; Prémio RTL-Lire; Prémio da Francofonia; Prémio Louis-Guilloux; Prémio da Paz dos Livreiros Alemães - Feira de Frankfurt; Prémio Édouard-Glissant; Grande Prémio do Romance Árabe; Grande Prémio do Romance da Société des Gens de Lettres; Grande Prémio da Francofonia da Academia Francesa; Grande Prémio do Romance da Renaissance Française.



Nenhum comentário:

Postar um comentário