Goodreads

Destaques

0 As Minhas Leituras | Outubro 2015

O Arquiteto de Paris


Há duas escritoras cujos livros encomendo logo que entram em pré-venda: Lesley Pearse, de quem li todos os livros publicados em Portugal, e Julia Quinn, mais precisamente a sua série Os Bridgerton. Junto com Ventos de Mudança em Summerset Abbey, De Amor e Sangue e Aquele Beijo constituem os «meus» três romances históricos de Outubro.


Os Bridgerton protagonizam uma série fabulosa e o seu sétimo livro, Aquele Beijo, está entre os melhores da saga desta divertida família! Preocupa-me que estejamos a ficar sem Bridgertons e que a série se aproxime do final, mas estes são livros que adoro ler! 
O destaque dado a Lady Danbury - a idosa com a língua mais viperina da sociedade britânica, que não parece disposta a poupar ninguém aos seus comentários corrosivos - é um dos meus pontos preferidos do livro. Também os diálogos entre Hyacinth e Gareth, ou até mesmo entre Hyacinth e Lady D., são muito prazerosos de acompanhar e a diferença entre a família de Hyacinth, tão numerosa e unida, e a família de Gareth, que não conta com o apoio e amor de mais ninguém a não ser da avó, faz-nos gostar ainda mais deste protagonista e torcer para que a verdade, quando vier à tona, não impeça o romance...

ler opinião completa >>>




As protagonistas de Lesley Pearse são sempre cativantes e a forma como a autora nos leva a embarcar nas viagens das suas vidas torna a leitura muito estimulanteDe Amor e Sangue traz-nos mais uma história de vida memorável, protagonizada por uma mulher excepcional, de carácter forte, apostada em fazer a diferença quando poderia limitar-se a tentar sobreviver um dia de cada vez. 
Um dos meus temas preferidos neste livro é a discrepância entre as condições de vida das diferentes classes sociais. Lesley Pearse volta a fazer um trabalho excecional na construção de vários episódios em que estas diferenças são mais do que óbvias. Também gostei imenso da introdução da homossexualidade numa história decorrente nesta época; mesmo não simpatizando com os personagens homossexuais da narrativa, é fácil assimilar as dificuldades que eram obrigados a enfrentar e a necessidade de esconderem o seu verdadeiro eu face a toda a ignorância, intolerância e preconceito que os rodeava.
Mais um excelente livro da autora.


ler opinião completa >>>


A trilogia de Summerset Abbey chegou ao fim com este Ventos de Mudança em Summerset Abbey a representar um ponto final muito satisfatório. Centrando-se no papel da Mulher e das suas opções durante a Primeira Guerra Mundial, este é um livro muito interessante e agradável de ler. Com personagens fantásticas que atravessam um período de mudança, esta trilogia é uma excelente opção para as leitoras que apreciam um bom, mas descomplicado, romance histórico, fácil de acompanhar e rápido de terminar.

ler opinião completa >>>


...Por falar em trilogias, este mês decidi terminar a d'O Senhor dos Anéis! Esta tem que ser uma das mais magníficas sagas de literatura fantástica!
Embora este terceiro livro tenha sido, para mim, o menos envolvente e mais cansativo dos três, não deixa de ser um livro maravilhoso que narra uma das aventuras mais fantásticas de sempre, com tudo o que poderíamos desejar...e mais ainda. 
Gostei muito de ver finalmente as personagens seguirem o seu caminho, o restabelecimento do Shire e o início de uma nova Era em Middle Earth. No meio de tanta fantasia e magia, encontramos o verdadeiro sentido de amizade/lealdade e descobrimos que a coragem pode habitar nos corações mais improváveis.
...E como já tenho ali o Silmarillion, posso regressar a Middle Earth quando me apetecer! :)

ler opinião completa >>>

Apesar de ser um trabalho digno de nota, a compilação de ensaios humorísticos de Robert Benchley editada pela Tinta da China, não foi tão «estimulante» como eu julguei que seria... a matemática é simples: ignorando a relevância do seu autor e a genialidade e influência do mesmo, este é, essencialmente, um livro de humor, e eu não lhe achei assim tanta graça...

ler opinião completa >>>


O Filho veio parar à minha «lista de livros por ler» porque o seu sucesso me chamou à atenção e porque se debruça sobre um tema que não abunda entre as minhas leituras passadas. 
O tempo que demorei em interessar-me por ele foi compensado quando, a mais de meio, me apercebi de como este foi ganhando gradualmente importância e significado. 
A envergadura deste trabalho é assustadora e o seu autor está de parabéns não só pelo exaustivo trabalho de investigação mas também pela forma como manobrou e compilou toda esta informação e nunca deixou que as personagens perdessem a sua individualidade aos nossos olhos.
Excelente livro!

ler opinião completa >>>



Como disse, tenho sido mais criteriosa com as minhas escolhas e isso passa por não me deixar iludir com sinopses comerciais... No entanto, quando li a de Pura Coincidência soube que tinha que ir buscá-lo. E depressa!
Quando comecei a lê-lo fui sugada de tal maneira para a história que só voltei a ter consciência de mim própria passadas as primeiras 100 páginas - é a «benesse» de ter gatos: não nos permitem muitas horas seguidas de actividades egoístas...
Este é um daqueles livros em que quanto mais sabemos, mais queremos saber e, embora não sendo um daqueles thrillers enervantes em que o anseio de chegar ao final é quase insuportável, envolveu-me completamente no seu enredo, levando-me a procurar a verdade por entre mentiras, falsas intenções, desejo de vingança e alguma demência.
Com poucas personagens e partindo de uma história perturbadora mas comparativamente simples, Pura Coincidência transforma-se gradualmente num extraordinário jogo de suspeitas.

ler opinião completa >>>


Aos fantásticos pormenores sobre o quotidiano numa Paris ocupada pelos alemães e detalhes relacionados com arquitectura, O Arquiteto de Paris adiciona ainda um enredo muito intrigante que me manteve empenhada no livro desde a primeira à última página.
Sendo arquiteto, julgo que o autor fez um excelente trabalho como romancista. Além da magnífica história que narrou, Belfoure criou um rol de personagens muito interessantes, umas que admirei pela coragem, outras que odiei pela perversa desumanidade demonstrada. O autor centra o seu livro em Lucien, personagem bem construída que evolui de simples insensibilidade para genuína preocupação com as pessoas que salvou, acabando por se envolver emocionalmente.

ler opinião completa >>>


Nenhum comentário:

Postar um comentário