Goodreads

Destaques

0 Receitas de Vida para Melissa | opinião


comovente despedida de uma mãe.

Melissa tem oito anos quando a mãe morre. Nunca chegam a despedir-se. Treze anos mais tarde, é-lhe entregue um diário que a mãe escreveu para ela. Quando alisa as páginas e começa a ler as últimas palavras da mãe, Melissa é imediatamente transportada para a infância. A emoção que sente é imensa, mas este presente é também um cruel lembrete de que não tornará a ver a mãe.

À medida que percorre as páginas do seu precioso livro, lê os conselhos que a mãe lhe deixou e prepara os pratos seguindo as suas receitas, mas vai também descobrindo os segredos da mãe. Segredos esses que podem mudar para sempre a vida de Melissa.


Autor: Teresa Driscoll   
Editor: Bertrand Editora(Abril, 2016) 
Género: Romance
Páginas: 296
Original: Recipes for Melissa (2015) 

opinião
★★★✩✩

Sem explorar descaradamente o conteúdo trágico do livro, Receitas de Vida para Melissa traz-nos uma história comovente sobre uma menina que, não tendo oportunidade de se despedir da mãe de forma definitiva antes de ela falecer (se é que tal é de alguma forma possível) tem agora em mulher, aos 25 anos de idade, a possibilidade de o fazer de outra forma.

Não querendo antecipar o seu sofrimento, Eleanor optou por não dizer à filha de oito anos que tinha cancro; recusou tratamentos mais agressivos e tentou viver os seus últimos dias da forma mais normal e confortável possível enquanto preparava um diário que seria entregue a Melissa aos 25 anos de idade.

Assim, Eleanor escreve para a mulher que espera que Melissa venha um dia a ser; deixa-lhe receitas de culinária, explica algumas das suas decisões, partilha uns quantos segredos, deixa algumas dicas e conselhos para Melissa incentivando-a a ser bondosa e generosa, a não perder tempo preocupada com o que os outros querem e com o que lhes faz feliz mas sim com o que lhe faz feliz a ela e, de alguma forma, despede-se da filha.

Ao longo do livro, Teresa Driscoll explora as ligações criadas através da comida e do acto de cozinhar. As receitas da mãe desbloqueiam a memória de Melissa, permitindo-lhe recordar episódios do passado, recriar momentos. É muito interessante como uma certa refeição/alimento pode ser automaticamente associada a determinadas ocasiões/eventos, pessoas ou até estados de espírito.

Driscoll foca também a importância do diagnóstico precoce de um cancro e o dilema de, quando há essa oportunidade, querer saber se a nível hereditário há probabilidade de vir a desenvolver cancro. Embora seja uma questão de tempo para todos nós o peso do diagnóstico e a fatalidade do prognóstico só pode ser terrível, concedendo à ameaça e à fugacidade do tempo contornos bem definidos e reais - quantas vezes mais nos será permitido presenciar determinado hábito/acontecimento, quantas vezes mais nos será permitido desfrutar de certa companhia... quanto tempo resta... e o desespero de saber que nunca será suficiente.

Numa altura em que Melissa enfrenta decisões importantes no que respeita à sua relação amorosa e ao emprego, o diário acaba por lhe trazer conforto e esclarecimento; mais uma vez, não o podendo fazer fisicamente, Eleanor consegue estar 'presente' numa altura em que a filha precisa dela e, apesar de terem passado 13 anos, Eleanor parece conhecer a filha, intuindo correctamente sobre a forma como o seu carácter se viria a desenvolver.

Infelizmente, existem alguns aspectos negativos que me levam a ficar pelas três estrelas: (1) a alteração de um ponto de vista para outro é feita de forma abrupta e, embora funcione bem ao início, à medida que o truque é repetido uma e outra vez torna-se irritante e despropositado; (2) o enredo é bastante previsível; (3) gostaria que o ponto de vista de Eleanor ocupasse mais espaço no livro, nem que para isso fosse excluído o ponto de vista do pai de Melissa uma vez que, embora seja uma personagem obviamente importante na narrativa, os seus capítulos não fazem muito pelo livro nem pelo desenvolvimento do mesmo; (4) algumas situações/emoções parecem demasiado forçadas e pouco autênticas.


Teresa Driscoll é jornalista e tem trabalhado em jornais, revistas e televisão. Este é o seu romance de estreia. Vive em Devon com o marido e os filhos e escreve regularmente sobre as suas experiências no seu site.



Nenhum comentário:

Postar um comentário