Goodreads

Destaques

15 Série Bridgerton | Opinião


A Bela e o VilãoAquele BeijoWook.pt - A Caminho do AltarWook.pt - Os Bridgerton - Felizes Para Sempre


A Série Bridgerton, da autora Julia Quinn, é composta por nove livros no total. Destes, os seis primeiros já estão editados em Portugal:
 Crónicas de Paixões e Caprichos, #1
 Peripécias do Coração, #2
 Amor e Enganos, #3
 A Grande Revelação, #4
 Para Sir Philip com Amor, #5
 A Bela e o Vilão, #6
 Aquele Beijo, #7
 A Caminho do Altar #8
 Os Bridgerton - Felizes Para Sempre #9




Crónica de Paixões e Caprichos, #1

As mães casamenteiras da alta sociedade londrina, estão ao rubro. Simon Bassett, o atraente (e solteiro!) Duque de Hastings, está de volta Inglaterra. O jovem aristocrata mal sabe o que o espera pois a perseguição das enérgicas senhoras é implacável. Mas Simon não pretende abdicar da sua liberdade tão cedo…
Igualmente atormentada pela pressão social, a adorável Daphne Bridgerton sonha ainda com um casamento de amor, embora a sua espera por um príncipe encantado comece já a ser alvo de mexericos.
Juntos, os jovens decidem fugir de um noivado, o que garantirá paz e sossego a Simon e fará de Daphne a mais cobiçada jovem da temporada. Mas, entre salões de baile e passeios ao luar, a paixão entre ambos rapidamente deixa de ser ficção para se tornar bem real. E embora Daphne comece a pensar em alterar ligeiramente os seus planos inicais, Simon debate-se com um segredo que pode ser fatal.

Autor: Julia Quinn
Editor: Edições ASA (2012)
Páginas: 368
Original: The Duke And I (2000)



~*~*~* OPINIÃO ~*~*~*
Quando me ofereceram este livro quis sorrir em agradecimento...mas só me saiu um tremelicar nervoso no lábio...

Não gosto (e ando farta) de historinhas cor-de-rosa, por isso só conseguia mesmo olhar para o livro e pensar «Oh Deus...e este ainda por cima VEM MESMO em capa cor-de-rosa...» *Pânico*

Mas posso agora dizer que compensei aquela falta de sorriso inicial com vários sorrisos patéticos e risinhos comprometidos ao longo do livro todo!

E só não lhe dou as 5 estrelas por não ser mais desafiante.

Ano: 1813. Simon, herdeiro de um dos mais ricos ducados de Inglaterra, rejeitado pelo pai desde criança, não quer casar...nunca! Daphne, criada numa família numerosa e cheia de amor, espera casar o mais depressa que lhe for possível. Para o futuro ambos anseiam coisas muito diferentes...mas no presente querem exactamente o mesmo: livrarem-se da pressão das (desesperadas) mães casamenteiras. E unem-se neste propósito...

O que mais gostei no livro foi este formidável narrador, com um tom mordaz e insinuante, sempre muito atento...

As personagens são formidáveis, sem excepção e por muito pequeno que seja o seu papel no evento central da trama. A caracterização de cada uma delas é soberba e, apesar de muitas, sabemos exactamente como é cada uma delas.

Gostei também da riqueza em diálogos, permitindo-nos assim apreciar a interacção entre as personagens de uma forma mais directa e tirar as nossas próprias conclusões, sem haver uma filtragem prévia pelo narrador. Assim, sentimo-nos completamente envolvidos na história dos protagonistas...e já que não existem histórias paralelas, não há distracção possível do (atribulado) romance entre Daphne e Simon; o que seria, por norma, aborrecido...mas não com Julia Quinn a escrever!

Resumindo: vi-me enleada neste maravilhoso enredo - Aborreci-me com Simon. Aborreci-me com Daphne. Irritei-me de morte com o pai de Simon. Aborreci-me com os irmãos de Daphe... No final, fiz as pazes com todos...e estou desejosa de continuar a ler sobre os Bridgerton!... e talvez descobrir quem é esta mexeriqueira da Lady Whistledown...

Peripécias do Coração, #2

A sensata Kate Sheffield está decidida a encontrar para a sua meia-irmã Edwina um marido de reputação impecável. Mal ela sabe que o visconde Anthony Bridgerton já traçou um plano... que inclui a belíssima jovem! E ele não está habituado a ser contrariado... Embora Anthony seja o solteirão mais cobiçado da temporada, a sua reputação de mulherengo perturba Kate. Ela terá de agir rapidamente, pois Edwina vê com muito bons olhos os avanços do visconde. Mas Edwina fez uma promessa que não está disposta a quebrar: nunca casará sem a bênção de Kate. Cabe, pois, a Anthony convencer aquela que (espera) será a sua futura cunhada. Ele é um homem determinado e seguro de si... e não contava encontrar uma adversária à sua altura. Frente a frente, Kate e Anthony apercebem-se de que têm mais em comum do que imaginaram. Mas o que os une ameaça separá-los para sempre. 

Autor: Julia Quinn

Editor: Edições ASA (Setembro, 2012)
Páginas: 384
Original: The Viscount Who Loved Me (2000)


~*~*~* OPINIÃO ~*~*~*

O amor à primeira vista é uma coisa muito bonita, mas assistir ao seu lento desabrochar pode ser muito mais delicioso!

Estamos na temporada londrina de 1814 e a pena de Lady Whistledown continua a pingar tinta para o papel…bem como algum (muito, na verdade) veneno… 

Neste segundo volume da Série Bridgerton, Peripécias do Coração, Julia Quinn leva-nos a conhecer melhor o visconde de Bridgerton - o partido mais cobiçado da época…apesar da sua mal afamada reputação de bon vivant. Já tínhamos ficado a conhecer a atitude insuportavelmente arrogante, malcriada e insultuosa de Anthony em Crónicas de Paixões e Caprichos, mas a autora surpreende-nos ao desenvolver tão bem este personagem que acabamos por nos apaixonar por ele ao mesmo tempo que a protagonista. 

São os medos de Anthony que o tornam profundamente realista e genuíno - visceralmente afectado pela morte do pai, como irmão mais velho dos Bridgerton, Anthony ficou responsável pelo bem-estar dos seus sete irmãos e mãe - uma enorme responsabilidade que ele não descurou um só minuto da sua vida. Mas depois de uma existência de revezamento entre o epíteto de pior libertino de Londres e a incumbência de cuidar da sua família com diligência e afecto, Anthony decide que chegou a hora de casar…! 

Os requisitos são simples: a noiva deverá ser «razoavelmente atraente», «não pode ser estúpida» e, o mais importante, terá que ser uma mulher pela qual «nunca se viesse a apaixonar». Anthony escolhe a jovem Edwina, a predilecta da temporada, mas Edwina estipulou desde cedo que só casa se a irmã aprovar o noivo…e Kate não suporta o carácter de Anthony… 

E é em Kate que o fantástico humor de Julia Quinn, tão divertido, tão jovial e tão raro em Romance Histórico, ganha vida. Mandona, opinativa e de conclusões precipitadas, Katharine Sheffield é uma mulher prática. A sua língua afiada é garantia suficiente de que a narrativa não se tornará aborrecida nem por um bocadinho. 

O ponto forte deste livro é definitivamente as suas personagens, a forma como Quinn as aproxima de nós, trazendo-as à vida, levando-nos a desenvolver um carinho especial por cada uma delas. A dinâmica familiar dos Bridgerton é deleitosa de presenciar. As interacções entre os irmãos são realistas e, para nosso frenesi, competitivas e provocadoras. 

Julia Quinn criou uma história imensamente divertida e viciante. Há imensos clichés, claro, mas estes estão muito bem trabalhados…Sabemos também em que pé vão acabar as coisas entre Kate e Anthony mas a oscilação entre cenas ridiculamente cómicas e cenas tão enternecedoras e doces que sentimos cáries a formarem-se enquanto lemos, prende completamente o nosso interesse ao desenvolvimento da narrativa. 

Estes protagonistas encaixam na perfeição, uma vez ultrapassados os arrufos iniciais. A forma como conseguem ultrapassar os seus receios com a ajuda um do outro e a devoção sincera que ambos têm pela família acaba por os aproximar de forma irreversível…e por nos aproximar a nós de duas personagens absolutamente fantásticas!

Frases Preferidas:
«Um homem com charme é coisa muito aprazível, e um homem com bom aspecto é, claro está, coisa digna de se ver, mas um homem com honra...Ah!...é em sua perseguição Caros Leitores, que devem lançar-se as jovens solteiras.»

Amor e Enganos, #3

Sophie Beckett tinha um plano ousado: fugir de casa para ir ao famoso baile de máscaras de Lady Bridgerton. Apesar de ser filha de um conde, ela viu todos os privilégios a que estava habituada serem-lhe negados pela madrasta, que a relegou para o papel de criada. Mas na noite da festa, a sorte está do seu lado. Sophie não só consegue infiltrar-se no baile como conhece o seu Príncipe Encantado. Depois de tanto infortúnio, ao rodopiar nos braços fortes do encantador Benedict Bridgerton, ela sente-se de novo como uma rainha. Infelizmente, todos os encantamentos têm um fim, e o seu tem hora marcada: a meia-noite. Desde essa noite mágica, também Benedict se rendeu à paixão. O jovem ficou até imune aos encantos das outras mulheres, exceção feita... talvez... aos de uma certa criada, que ele galantemente salva de uma situação desagradável. Benedict tinha jurado tudo fazer para encontrar e casar com a misteriosa donzela do baile, mas esta criada arrebatadora fá-lo vacilar. Ele está perante a decisão mais importante da sua vida. Tem de escolher entre a realidade e o sonho, entre o que os seus olhos veem e o que o seu coração sente. Ou talvez não...


AutorJulia Quinn
EditorEdições ASA (9/Abril/2013)
Páginas: 384
Original: An Offer From a Gentleman (2001)





~*~*~* OPINIÃO ~*~*~*
 
Do prólogo ao epílogo: Excepcional!
*…E tendo em conta que é o reavivamento de um clássico, a coisa poderia ter corrido terrivelmente mal…!*

Amor e Enganos, o terceiro livro da série Bridgerton, constitui uma leitura fantástica para qualquer altura graças à intercalação de cenas arrebatadoramente românticas com situações divertidas e insólitas; e graças ao talento inato de Julia Quinn para a escrita e para desenvolvimento de enredo, mantendo um compasso constante ao longo de todo o do livro e prendendo o nosso interesse à história com reviravoltas inesperadas…

Julia Quinn conseguiu pegar num clássico tão conhecido e ainda assim manter a originalidade, enriquecendo-o com um excelente sentido de humor, sem, no entanto, cortar na componente romântica, mágica e sonhadora. As personagens são interessantes, empáticas e bastante fortes em carácter. O enredo é credível e cativante.

Tudo isto e muito mais fez com que Amor e Enganos se tornasse no meu preferido da série Bridgerton…pelo menos por enquanto…
View all my reviews

A Grande Revelação, #4

  O coração de Penelope Featherington sofre por Colin Bridgerton há... não pode ser!?? ...mais de dez anos? Sim, essa é a triste verdade. Dez anos de uma vida enfadonha, animada apenas por devaneios apaixonados. Dez ingénuos anos em que julga conhecer Colin na perfeição. 
  Mal ela sabe que ele é muito (mesmo muito) mais do que aparenta... Cansado de ser visto como um mulherengo fútil, irritado por ver o seu nome surgir constantemente na coluna de mexericos de Lady Whistledown, Colin regressa a Londres após uma temporada no estrangeiro decidido a mudar as coisas. Mas a realidade (ou melhor, Penelope) vai surpreendê- lo... e de que maneira! Intimidado e atraído, Colin vai ter de perceber se ela é a sua maior ameaça ou o seu final feliz. ps: este livro contém a chave do segredo mais bem guardado da sociedade londrina.


AutorJulia Quinn
EditorEdições ASA (Janeiro, 2014)
Páginas: 376
Original: Romancing Mister Bridgerton (2002)




~*~*~* OPINIÃO ~*~*~*
My rating: 4 of 5 stars

'Ofereço mil libras à pessoa que desmascarar Lady Whistledown'

…O desafio está lançado!
A temporada de 1824 estava a ser um enorme aborrecimento até Lady Danbury lançar este escandaloso desafio à sociedade londrina. Deste alcoviteiro meio faz parte Penelope Featherington que, com quase 28 anos de idade, já passou da idade de casar. Por ser extremamente tímida e reservada o seu sentido de humor mordaz e a sua mente inteligente acabam por não sobressair, daí que Penelope nunca tenha tido um pretendente que seja. Mas no fundo isso não a incomoda já que entregar-se a outro homem seria desonesto com o seu coração que pertence ao rico, bonito, elegante e charmoso Colin Bridgerton desde o dia em que o viu pela primeira vez!
Havia nascido para aquele homem e passara muitos anos tentando aceitar o facto de que ele tinha nascido para outro alguém'

Farta de calar os seus verdadeiros desejos, Penelope decide que não quer ser a mesma de sempre. Esta mudança despoleta o impensável para Penelope enquanto faz as delícias do leitor que, tal como Colin, começa a perceber o enorme potencial desta modesta rapariga!
'Era Penelope. E supostamente era um livro aberto. Ele conhecia-a. Conhecia-a desde sempre.'

Cheio de humor e boa disposição, diálogos divertidos e uma diligência narrativa espetacularA Grande Revelação é mais um sucesso para a série Bridgerton.

É adorável assistir quando um amor que se arrasta por anos, não correspondido e ignorado, começar finalmente a receber alguma atenção; uma rapariga desprezada e injuriada pela sociedade tornar-se o centro da mesma; sonhos a serem finalmente realizados e destinos a serem cumpridos!
'E assim, numa tarde de sexta-feira absolutamente vulgar, no coração de Mayfair, numa sala de estar tranquila em Mount Street, Colin Bridgerton beijou Penelope Featherington.'

Julia Quinn conseguiu levar-me a gostar de Colin, com quem não simpatizava particularmente enquanto me manteve entretida a ver Penelope desabrochar, damas e cavalheiros a tremer perante a muito indelicada (mas um regalo para o leitor!) Lady Danbury, o adiantamento nas vidas de outros Bridgerton que já encontraram o seu caminho e as muito misteriosas recentes atividades de Eloise Bridgerton! …Tudo isto, claro, enquanto roía as unhas de ansiedade para saber QUEM É AFINAL Lady Whistledown!

Por tudo isto A Grande Revelação é um livro fantástico que mistura romance, humor e intriga em doses perfeitas!

Frases Preferidas:
'Qualquer coisa que começa com mas tem de ser má' 
'Dois dos melhores momentos de viajar (…) são a partida e o regresso a casa' 
'Colin decidiu de imediato que a mente feminina era um órgão tão estranho e incompreensível que nenhum homem devia sequer tentar entender. Não havia uma única mulher no mundo que para ir do ponto A ao B não parasse nos C, D, X, e em mais 12 pontos pelo caminho.' 
'As pessoas são como os bons vinhos. Se forem bons à partida, só melhoram com a idade.' 
'Quanto mais velha fico, mais percebo que a maioria das pessoas no mundo é tola.'


Para Sir Philip com Amor, #5

  Sir Phillip sabia que Eloise Bridgerton tinha já 28 anos e era, pois claro, uma solteirona. Foi por isso mesmo que pediu a sua mão em casamento. Sir Phillip partiu do princípio de que Eloise estaria desesperada por casar e não seria exigente ou caprichosa. Só que… estava enganado. 
  No dia em que ela lhe aparece à porta, tornase óbvio que é tudo menos modesta e recatada. E quando Eloise finalmente para de falar, ele percebe, rendido, que o que mais deseja é… beijá-la. É que, quando recebeu a tão inesperada proposta, Eloise ficou perplexa. Afinal, nem sequer se conheciam pessoalmente. Mas depois… o seu coração levou a melhor e quando dá por si está numa carruagem alugada, rumo àquele que pensa poder ser o homem dos seus sonhos. Só que… estava enganada. 
  Embora Sir Phillip seja atraente, é certo, é também um bruto, um rude e temperamental bruto, o oposto dos gentis cavalheiros que a cortejam em Londres. Mas quando ele sorri… e quando a beija… o resto do mundo evapora-se e Eloise não consegue evitar a pergunta: será que este pesadelo de homem é, afinal, o homem dos seus sonhos?

AutorJulia Quinn
EditorEdições ASA (Julho, 2014)
Páginas: 336
Original: To Sir Philip With Love (2003)



~*~*~* OPINIÃO ~*~*~*

Para Sir Phillip, Com Amor by Julia Quinn
My rating: 4 of 5 stars

Eloise Bridgerton e Phillip Crane são os protagonistas deste desajeitado blind date do século XIX... Diplomado em botânica pela universidade de Cambridge, Phillip sempre sonhou em seguir a carreira académica até ser confrontado com a precoce morte do irmão na Batalha de Waterloo, deixando-o a ele como principal - e único - herdeiro. Agora, viúvo de uma mulher que nunca o amou, pai de duas incontroláveis crianças de sete anos e infeliz proprietário de uma propriedade onde o sorriso não abunda, Phillip julga ter encontrado a solução para os seus problemas na jovem com quem se corresponde há cerca de um ano: Eloise.

Cómica, divertida e romântica - adoro esta série! Facilmente dou por mim a vibrar com as divertidas peripécias que Julia Quinn narra tão graciosamente, empolgada com o rumo dos acontecimentos, apegada às fantásticas personagens!

Mesmo tendo em conta que a história de Eloise acabou por se revelar, para mim, a menos interessante até agora - sendo que culpabilizo mais a extraordinária qualidade dos livros anteriores do que propriamente qualquer falha neste - 'Para Sir Phillip com Amor' não deixa de ser uma óptima adição a esta série completamente viciante.

Seria de esperar que Eloise, a rapariga que simplesmente não consegue estar calada, tivesse uma coisinha ou duas a dizer sobre a revelação estrondosa que ocorreu no livro anterior. Contudo, tal não acontece e, mesmo percebendo o objectivo 'logístico' da autora...é perturbador que essa gigantesca parte da série tenha sido simplesmente ignorada.

Gostei muito de 'Para Sir Phillip com Amor' e, mais uma vez, fiquei ansiosa pelo próximo!


Frases Preferidas
'Não, ela não precisava de alguém perfeito. Só precisava de alguém perfeito para ela.'
' Homens! O dia em que aprendessem a  admitir um erro seria o dia em que se tornariam mulheres.' 

A Bela e o Vilão, #6

  Libertino. Devasso. Debochado. Três adjetivos que podiam descrever Michael Stirling na perfeição. Bem conhecido nas festas londrinas, quer desempenhasse o papel de sedutor ou o papel de seduzido, uma coisa era certa: nunca entregava o coração. Ele teria até acrescentado a palavra "pecador" ao seu cartão de visita se não achasse que isso mataria a pobre mãe.
  Mas ninguém é imune ao amor. Quando a seta de cupido atinge Michael, dá início a uma longa e tortuosa paixão - pois o alvo dos seus afetos, Francesca Bridgerton, tem casamento marcado com o seu primo.
  Mas isso foi antes. Agora, Francesca está novamente livre. Infelizmente, ela vê Michael apenas como um ombro amigo - até à fatídica noite em que lhe cai inocentemente nos braços, e a paixão se revela mais poderosa e intensa do que o mais perverso dos segredos…


AutorJulia Quinn
EditorEdições ASA (Fevereiro, 2015)
Páginas: 336
OriginalWhen He Was Wicked (2003)



~*~*~* OPINIÃO ~*~*~*



My rating: 2 of 5 stars


Julia Quinn habituou-me a histórias interessantes - românticas, sim, mas polvilhadas com um delicioso humor simplista e despretensioso - narradas com beleza e irreverência, debruçando-se sobre a maravilhosa dinâmica familiar dos Bridgerton…e é por tudo isto, por ter tornado esta série a minha preferida do género, que não lhe perdoo este livro.


Além de não ser nada original, a trama segue sem surpresas, para lá de previsível, focando sempre os mesmos pontos. Ainda que romântica, pois nada torna um amor mais impossível do que os entraves colocados pelos próprios apaixonados, este livro - e Francesca - parecem não pertencer aos Bridgerton. 


Michael vive dominado pela culpa por cobiçar a esposa do primo, que era para si como um irmão, desde o dia em que a viu pela primeira vez. Francesca e John eram perfeitos um para o outro, mas um aneurisma cerebral deixou Francesca inesperadamente viúva em tenra idade. Quatro anos depois, Michael regressa da Índia para onde fugiu em busca de refúgio, esperando poder ser simplesmente amigo da mulher que nunca deixou de amar. 


Gostei de Francesca, mais madura que as suas irmãs e já marcada pelas injustiças da vida; compreendo que fosse mais independente em relação à família mas senti a falta dos Bridgerton, das interacções entre os irmãos, da sua abelhudice colectiva…


Ao ignorar o que se passa à volta de Francesca, Julia Quinn facilitou muito o seu trabalho, isentando-se de conciliar datas e acontecimentos, mas isolou demasiado Francesca daquele que é o trunfo do seu trabalho nesta série: Os Bridgerton! Uma carta, a cujo conteúdo nem temos acesso, a resumir tudo o que se passou no final do livro para mim não é suficiente, não quando investi o meu tempo a ler seis livros sobre estas personagens… De certeza que teria conseguido manipular melhor tudo o que decorria paralelamente, sem ser repetitiva, oferecendo até nova dimensão e pontos de vista sobre os episódios. 


E já que nos leva a retroceder no tempo: o que é feito de Lady Whistledown?! Se era tópico na maioria das conversas nos livros anteriores, como é que pode ser eliminada por completo deste? Teria sido uma óptima oportunidade para trazer de volta uma das minhas - e, de certeza, de várias leitoras que acompanham a série - personagens! E não teria sido difícil fazê-lo ocultando a sua identidade para não estragar a surpresa a quem ainda não leu o livro anterior - mais uma vez, sabendo nós do que já sabemos, teria sido duplamente divertido abordar novas perspectivas.


Já deu para perceber, claro: estou mesmo chateada! Odeio ver autores encostarem-se a sucessos anteriores, provavelmente pressionados por prazos e contratos, convencidos de que vamos gostar de qualquer coisa que eles escrevam só porque foram eles que o escreveram e porque gostámos tanto do que já lemos antes. Não gostei deste livro e o facto de já ter visto do que Julia Quinn é capaz só vem agravar a situação. 




Aquele Beijo, #7

Gareth St.Clair vive momentos difíceis. Após a morte do irmão, passa a ser o único herdeiro da fortuna do pai. Infelizmente, o ódio deste por Gareth é tanto que prefere desbaratar o seu património a vê-lo nas mãos do filho. Resta-lhe como legado um velho diário, escrito pela avó paterna, que poderá conter os segredos do seu passado e a chave para o seu futuro. O único problema é que… o diário foi escrito em italiano, uma língua que o jovem não domina de todo.
Por um golpe de sorte, Gareth conhece Hyacinth Bridgerton, a mais jovem menina do conhecido clã, que nunca recusa um desafio, embora o seu italiano deixe muito a desejar. Além disso, Gareth intriga-a, pois parece estar sempre a rir-se dela.
Juntos, embrenham-se nas páginas do velho diário, mas aquilo que vão descobrir transcende as palavras escritas em papel, e manifesta-se sob a forma de um simples - mas inesquecível - beijo…


AutorJulia Quinn
EditorEdições ASA (Setembro, 2015)
Páginas: 336
OriginalIt's in His Kiss (2005)



~*~*~* OPINIÃO ~*~*~*
My rating: 4 of 5 stars

Estamos a ficar a ficar sem Bridgertons!!! *pânico*

Há uma década atrás Gareth descobriu que não era filho do barão St. Clare - um homem que sempre o tratou com rancor e desprezo - mas sim o resultado de uma relação extraconjugal da sua falecida mãe. O afastamento entre ambos ocorreu quando Gareth se negou a cumprir as exigências do barão que, considerando que Gareth tinha uma dívida para consigo já que o legitimou, educou e alimentou quando o poderia ter simplesmente enviado para a rua, juntamente com a mãe, decide que ele deverá casar com uma jovem com problemas mentais, cujo dote ajudaria a estabilizar as finanças dos St. Clare.

Aquele Beijo está sem dúvida entre os melhores livros desta série; Gareth e Hyacinth - a nossa audaz, inteligente e perspicaz Hyacinth - formam o par perfeito, algo que todos os que os observam concluem logo ao início, mas que os próprios parecem não reparar.

«E eu sei(...) que muitas vezes amar-me dá muito trabalho.» (p. 197)

A descoberta do diário da avó de Gareth acaba por aproximar ambos já que, estando escrito em italiano, Gareth precisa da ajuda de Hyacinth na tradução. Enquanto Hyacinth se lança numa verdadeira caça ao tesouro, depois de descobrir através do diário que Isabella tinha escondido algumas jóias, Gareth mantêm a esperança que nestas páginas possa estar também a identidade do seu verdadeiro pai.

O destaque dado a Lady Danbury - a idosa com a língua mais viperina da sociedade britânica, que não está disposta a poupar ninguém aos seus comentários corrosivos - é um dos meus pontos preferidos do livro.
«Algo importante está sempre prestes a acontecer, minha querida. E se não está, a menina faria bem em agir como se estivesse. Vai aproveitar mais a vida se o fizer.» (p. 311)

Tal como o neto, cuja terrível reputação serve para mascarar um bom coração, Lady D. parece esconder-se por detrás do seu mau feitio. Os diálogos entre Hyacinth e Gareth, ou até mesmo entre Hyacinth e Lady D., são muito prazerosos de acompanhar e a diferença entre a família de Hyacinth, tão numerosa e unida, e a família de Gareth, que não conta com o apoio e amor de mais ninguém a não ser da avó, faz-nos gostar ainda mais deste protagonista e torcer para que a verdade, quando vier à tona, não impeça o romance...

A Caminho do Altar, #8

Gregory Bridgerton procura a sua alma gémea. Acredita fervorosamente no amor verdadeiro, por isso não tem dúvidas de que saberá reconhecer a mulher da sua vida com facilidade. E, de facto, ao conhecer Hermione Watson, o jovem fica rendido.
Mas, oh... que tragédia!, a estonteante Hermione está apaixonada por outro. É aí que entra Lucy Abernathy, a melhor amiga dela, sempre disposta a ajudar. Mesmo quando percebe que ela própria sucumbiu ao incurável romantismo de Gregory.
Infelizmente, existe um outro "mas"... Pois Lucy está noiva, e tenciona colocar a honra acima dos seus sentimentos. Quanto a Gregory, no momento em que finalmente compreende que os desígnios do coração são mais intrincados do que pensava, já a sua amada vai a caminho do altar. Será que é demasiado tarde?
A Caminho do Altar é o oitavo volume da deliciosa série protagonizada pela família Bridgerton.



AutorJulia Quinn
EditorEdições ASA (Maio, 2016)
Páginas: 400
OriginalOn the Way to the Wedding (2006)


~*~*~* OPINIÃO ~*~*~*

Gregory Bridgerton, um romântico incurável, sempre soube que encontrar o amor era apenas uma questão de tempo... nunca lhe passou pela cabeça foi que, quando encontrasse a mulher da sua vida, ela poderia não corresponder... Já Lucinda Abernathy, bem mais pragmática que o nosso herói, não está interessada nos disparates do amor até porque, como tantas (!) vezes nos faz saber, já está praticamente noiva... Mas quando Hermione, amiga de Lucy, deixa Gregory com o coração destroçado ela decide dar-lhe uma ajudinha...e se é verdade que ambos acabam por encontrar o amor, não podemos dizer que o encontraram onde estavam à espera...

Mais uma vez, o excelente sentido de humor da escritora reflecte-se de forma brilhante na sua prosa, o que, aliado às peripécias caricatas a que submete os seus pobres personagens, torna esta oitava adição à série Os Bridgerton um livro bem divertido... e enervante já que, apesar de se tornar imediatamente óbvio para nós que Lucy e Gregory foram feitos um para o outro eles parecem não ser tão perspicazes como nós e quando finalmente conseguem perceber o que nós já sabíamos há muito, surgem vários contratempos que os impedem de ficar juntos.

Com o desenvolver do enredo, a história torna-se mais interessante e o meu interesse pela mesma foi aumentando em concordância. Lucy é forçada a fazer escolhas que vão contra o seu coração e Gregory, habituado a ter tudo o que quer sem se esforçar muito por isso, vai ter que decidir se desta vez vale a pena lutar.

Gregory e Lucy pareceram-me um dos casais mais bem caracterizados desta série de Julia Quinn e também dos mais realistas, com os seus medos e aspirações a descoberto e algum espaço para crescer e melhorar. Além disso, ao longo do livro vamos tendo vislumbres dos outros Bridgerton e recordando alguns dos personagens dos livros anteriores - o que é sempre uma coisa boa!

Gostei muito deste livro e só tenho uma reclamação a fazer: acabou depressa demais.


Os Bridgerton - Felizes Para Sempre, #9

Wook.pt - Os Bridgerton - Felizes Para SempreEra uma vez uma família muito especial...
Sob a batuta de uma matriarca formidável, os Bridgerton são mais do que uma família, eles são uma força da natureza. Ao longo de oito romances, leitores de todo o mundo riram à gargalhada, emocionaram-se, choraram e apaixonaram-se por estes oito irmãos, pelos seus tios e tias, sogras, sobrinhos e amigos (sem esquecer o cão obeso). De tal forma que, no final, todos os leitores ansiaram por mais.

E perguntaram à autora…
E agora? O que acontece a seguir? O Simon lê as cartas do pai? A Francesca e o Michael têm filhos? Quem consegue a desforra no jogo de palamalho?
Será que o "Fim" tem mesmo de ser o fim?
Também Julia Quinn ansiava responder a estas e outras questões. Por isso, decidiu continuar. Tudo o que ficou por contar é agora revelado em Os Bridgerton: Felizes Para Sempre até mesmo a história secreta por detrás do amor perfeito de Violet Bridgerton.

  Até sempre, Bridgertons!


AutorJulia Quinn
EditorEdições ASA (Setembro, 2016)
Páginas: 304
OriginalThe Bridgertons: Happily Ever After (2013)


~*~*~* OPINIÃO ~*~*~*

A derradeira despedida da família Bridgerton: adorei!

Neste livro, Julia Quin dá-nos a oportunidade de revisitar os personagens desta série e recordar as histórias de cada um deles; até Violet, que esteve presente em todos os livros e que foi conquistando os nossos corações a cada um deles, tem o seu mais que merecido epílogo. Continuo a achar, no entanto, que a parte de Lady Whistledown podia ter sido gerida de forma mais interessante mas, tirando isso, gostei muito do livro.

Com o bom humor de sempre, esta é uma conclusão mais do que perfeita para a série.
Fico triste que tenha chegado ao fim, mas contente que, apesar de tanto escândalo e tropelia, os Bridgerton tenham encontrado o seu Final Feliz!


View all my reviews

15 comentários:

  1. Estou a acabar de ler Amor e Enganos,e estou a adorar. E pelo que pude ver, acho que é uma bela colecção. Os três primeiros já comprei. Fico à espera dos restantes!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também estou a gostar muito desta série! :D Das que estão a ser actualmente editadas, é a minha preferida.

      Excluir
  2. Eu gostei muito desta serie. De mis preferido es el el 2° Peripécias do Coração, y el 4° Romancing Mister Bridgerto. Adorei a Anthony e Colin:)

    ResponderExcluir
  3. Estou a adorar esta série! Quando sai o próximo volume?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que é no início do próximo ano, segundo o facebook da editora =)

      Excluir
  4. Sabem quando será lançado o próximo livro em Portugal?

    ResponderExcluir
  5. Sabem quando será lançado o próximo livro em Portugal? Estou tão ansiosa *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 'Para Sir Phillip, com Amor' sai em Julho :D

      Excluir
  6. Quando sai o próximo livro em Portugal! Estou desejosa que saia!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em Fevereiro! «A Bela e o Vilão» :))

      Excluir
  7. Quando sai o próximo?? *-*

    ResponderExcluir
  8. Tb achei A bela e o Vilão o mais fraco. O do Colin achei meio paradito e com um romance pouco credível. O rapaz mal olhava para ela, pareciam quase irmãos. De repente descobriu que gostava dela. Que coisa mais... sei lá. Comigo não pegou lá muito. Agora o livro do Benedict é bom, mas não lhe perdoo ter sido um imbecil durante grande parte da história. Nem parece coisa de um Bridgerton. Portou-se como um canalha a maior parte do tempo. :/ O 1, o 2 e o 5 foram os que mais gostei. Especialmente o 2.

    ResponderExcluir
  9. Adorei todos que comprei até agora ... por sinal comprei hoje "Para Sir Phillip", mas acabei de ler "A bela e o vilão" ... gostei imenso da picardia instalada entre Francesca e o Michael ... ficarei desejosa de saber se sempre conseguiram ter bébés ...
    Série viciante ... nem sei inde colocar tantos livros, espero ansiosamente as próximas histórias.

    ResponderExcluir
  10. Comecei hoje o último e adorei todos até agora :)

    ResponderExcluir