Goodreads

Destaques

0 Os Venenos da Coroa {Livros Setembro}

O Rei de Ferro e a Rainha Estrangulada
The Accursed Kings 1 / 2
«ESTA É A GUERRA DOS TRONOS ORIGINAL» 
George R. R. Martin
  O Rei de Ferro - Filipe, o Belo - é frio, cruel, silencioso, e governa o reino sem hesitações. Apesar disso, não consegue dominar a própria família: os filhos são fracos e as esposas, adúlteras, ao mesmo tempo que a sua filha de sangue, Isabel, é infeliz no casamento com o rei inglês - que parece preferir a companhia de homens. 
  Empenhado na perseguição aos ricos e poderosos Templários, Filipe sentencia o grão-mestre Jacques de Molay a ser queimado na fogueira, atraindo sobre si uma maldição que vai destruir o futuro da sua dinastia. Morre nesse mesmo ano, deixando o reino em grande desordem. O seu filho é nomeado rei, mas com a esposa presa e acusada de adultério, é incapaz de gerar um herdeiro e de garantir a sucessão. 
   Enquanto a cristandade espera um papa e as pessoas estão a morrer de fome, as rivalidades, intrigas e conspirações vão despedaçar o reino e levar barões, banqueiros e o próprio rei a um beco sem saída, ao qual só parece ser possível escapar pelo derramamento de sangue.

«SE É APAIXONADO POR HISTÓRIA OU UM FÃ DE FANTASIA, ESTE ÉPICO IRÁ PRENDÊ-LO DA PRIMEIRA À ÚLTIMA PÁGINA. MAURICE DRUON É O MELHOR ROMANCISTA HISTÓRICO DESDE ALEXANDRE DUMAS» 
George R. R. Martin


Autor: Maurice Druon
Editor: Marcador (Setembro, 2014)
Género: Romance
Páginas: 504
Original: Le Roi de fer (1955) [Goodreads], La Reine étranglée (1955) [Goodreads]


Os Venenos da Coroa
The Accursed Kings 3
Wook.pt - Os Venenos da Coroa
  Apenas alguns meses depois da morte de Filipe, o Belo, os conflitos, as intrigas, os ódios e a luta pelo poder ameaçam submergir a França numa instabilidade devastadora. O legado de três décadas de eficácia administrativa, económica e política escapou-se como água por entre as mãos de Luís X, que permitiu que a confrontação entre ministros burgueses e nobres conservadores se saldasse pela perda do domínio das províncias. Estava-se no verão de 1315. De acordo com o cognome por que é conhecido na corte, Luís, o Teimoso, começou a regência com a obsessão de se livrar da mulher, Margarida de Borgonha, e de sentar a seu lado uma nova rainha. Com Margarida assassinada e a bela princesa Clemência, da casa de Anjou-Sicília a caminho, vinda de Nápoles, para se tornar rainha de França, Luís X parece preparado para assumir a responsabilidade pelo seu reinado.
  No entanto, num alarde de grandeza, próprio de quem tem o poder, mas não a capacidade de o conservar, o rei envolve-se numa guerra absurda contra o conde da Flandres, enquanto o seu povo morre de fome. No Mediterrâneo, as tormentas mergulham os pensamentos da futura rainha Clemência nos mais negros presságios. O veneno volta a correr nas veias de França, e nada parece poder evitar que venha a ameaçar a Coroa. Descubra a saga de Os Reis Malditos que inspirou os livros de George R. R. Martin, autor de A Guerra dos Tronos.


Autor: Maurice Druon
Editor: Marcador (Setembro, 2016)
Género: Romance
Páginas: 232
Original: Les Posions de la couronne (1956) [Goodreads]


✏ Os Reis Malditos (Les Rois Maudits) é uma série de sete romances históricos que estão traduzidos em todo o mundo. A acção ocorre durante os reinados dos últimos cindo reis Capetianos e os dois primeiros reis e os primeiros dois reis da dinastia Valois. O enredo gira em torno das tentativas de Roberto de Artois para recuperar o comando de Artois da sua tia Mahaut.

Maurice Druon nasceu em Paris a 23 de Abril de 1918. Licenciado em Ciências Políticas, vê-se forçado, durante a Segunda Guerra Mundial, a fugir através de Espanha e Portugal para se juntar às fileiras da Resistência francesa em Londres. Foi autor, com o seu tio, Joseph Kessel, da letra do célebre Chant dês Partisans (1943). Acabada a guerra, dedica-se completamente à escrita, iniciando uma carreira como romancista, ensaísta e historiador, reconhecida com prémios como o Goncourt (1948), o Pierre de Mónaco ou o Sint-Simon. Na sua longa tragetória, Maurice Druon foi membro do Conselho Franco-Britânico, ministro da Cultura e secretário perpétuo da Academia Francesa




Nenhum comentário:

Postar um comentário