Goodreads

Destaques

0 A maldição dos Dain

  Publicado originalmente em 1929, A Maldição dos Dain coloca em cena o detetive privado da agência Continental, nunca tratado pelo seu nome, sempre por Continental Op, nascido num conto da revistaBlack Mask de 1923 e reaparecido já antes no romance Colheita Sangrenta.
  Gabrielle Dain Leggett é uma jovem, bela e rica herdeira, devota da morfina e de cultos religiosos. À sua volta parece existir uma maldição que assassina violentamente os que a cercam. Trata-se de uma maldição familiar ou de facto de algo muito mais humano e perigoso?
  Obra-prima do suspense, A Maldição dos Dain é um dos casos mais bizarros de Continental Op, um detetive frio e duro, imune às manipulações mas capaz de gestos generosos e salvadores.

Autor: Dashiell Hammett
Editor: Porto Editora (Janeiro, 2014)
Género: Policial
Páginas: 256
Original: The Dain Curse (1929)

Sobre o autor...
  Nascido em 1894 (Maryland, EUA), no seio de uma família de poucos recursos, Dashiell Hammett começou a trabalhar aos catorze anos para ajudar a sustentar a família. Durante a Primeira Guerra Mundial contraiu tuberculose, da qual nunca recuperou totalmente, o que foi agravado pela sua adição ao álcool. Mais tarde, foi contratado pela Agência de Detectives Pinkerton (1915-1922) e nesta buscou a fonte de inspiração dos seus policiais. 
  No início dos anos 20, Hammett casou-se com uma enfermeira e teve duas filhas. Contudo, a mulher da sua vida foi indiscutivelmente a dramaturga Lillian Hellman, com quem viveu até ao fim dos seus dias. No seu tumultuoso relacionamento, não faltaram drama, cocktails, política e arte. 
  Hammett viveu em Nova Iorque, leccionando Criação de Textos, até 1956, ano em que Lillian Hellman o levou para o seu apartamento a fim de cuidar da sua saúde. Morreu a 10 de Janeiro de 1961. Contudo, o mito do detective privado que se tornou escritor ainda continua vivo. 
  Juntamente com Raymond Chandler, Hammett deu início ao realismo nas histórias de detectives e é considerado o pai do género hard-boiled, noir para os franceses.

Nenhum comentário:

Postar um comentário