Goodreads

Destaques

0 Resoluções de Ano Novo


As celebrações de Ano Novo são as comemorações mais antigas de que há memória; começaram antes da Era Cristã, há cerca de 4.000 anos atrás na Babilónia antiga e a tradição de estabelecer Resoluções de Ano Novo remonta a 153 a.C. 

Os Romanos mudaram a viragem do ano para o mês de Janeiro em 46 a. C., quando Júlio César desenvolveu um calendário que reflectia melhor a interferência das Estações do Ano. O nome do primeiro mês do ano deriva de Janus, o deus de duas caras, uma que olha para o ano que passou e outra que olha para o ano que está para vir. 

As Resoluções de Ano Novo, no caso, promessas ao deus Janus, começaram no tempo do Império Romano mas quando o cristianismo se tornou na religião oficial, no século IV, estas resoluções, que se baseavam em intenções morais de praticar apenas o bem, foram substituídas por orações e jejum. 

O povo cristão via agora com maus olhos a execução de práticas que se pudessem associar ao paganismo, muito em especial os puritanos que, incentivando as suas crianças a reflectir sobre o ano que terminava e a contemplar o ano que estava para chegar, acabaram por estimular o costume de fazer Resoluções de Ano Novo. Na altura, estas eram basicamente comprometimentos em melhorar hábitos e evitar pecados.



De acordo com o jornal americano de psicologia clínica (Journal of Clinical Psychology), estas as dez Resoluções de Ano Novo mais comuns são: 
✓ Perder peso; 
✓ Ser mais organizado; 
✓ Gastar menos e poupar mais; 
✓ Aproveitar a vida; 
✓ Ficar em forma; 
✓ Aprender alguma coisa nova; 
✓ Deixar de fumar; 
✓ Ajudar outros; 
✓ Apaixonar-se; 
✓ Passar tempo com a família; 

Estas mudanças reflectem intenções de melhorar características pessoais que permitam uma melhoria no estilo de vida, bem como progressos a nível das relações interpessoais e claro: mais dinheiro! Aqui fica uma lista de 70 Resoluções, compilada por Jonathan Edwards, o teólogo americano que levou a cultura puritana para a Nova Inglaterra. 


Cada país tem as suas tradições supersticiosas para este dia, mas todas com o mesmo objectivo: que o Ano Novo seja melhor do que o que nos abandona! 

A Passagem de Ano à Volta do Mundo
Áustria: O símbolo de sorte é o leitão, daí que seja servido à mesa das comemorações. A sobremesa consiste, por sua vez, em gelado de menta sob a forma de um trevo de quatro folhas.

Inglaterra: O primeiro visitante do ano deverá ser do sexo masculino e trazer presentes! As prendas tradicionais são carvão para a lareira, um pão para a mesa e uma bebida para o anfitrião. Para dar sorte, o convidado deverá entrar pela porta da frente e sair pela das traseiras…os convidados que não trazem presentes (ou são indesejados…) nunca deverão entrar em primeiro lugar.

Gales: A porta das traseiras é aberta à meia-noite, sendo depois fechada para libertar o ano que passou e deixar lá fora toda a má sorte que trouxe. À 12ª badalada, a porta da frente é aberta e o Novo Ano é recebido!

Haiti: O primeiro dia representa todo o ano que está por vir, daí que se usem roupas novas e se troquem prendas!

Sicília: Os sicilianos comem lasanha na passagem de ano para dar sorte…mas qualquer outra massa trará azar!


Espanha: Esta conhecemos bem! À meia-noite, comem-se 12 passas, uma por cada badalada, para trazer sorte aos 12 meses que estão por vir. 

Peru: No Peru não se comem 12 mas 13 passas…para garantir boa sorte! 

Grécia: um bolo especial é cozido com uma moeda enterrada na massa. A primeira fatia é para o menino Jesus, a segunda para o pai da casa e a terceira para a própria casa. Se a moeda se esconder na terceira fatia de bolo, a primavera chegará mais cedo nesse ano. 

Japão: os japoneses decoram a casa em tributo aos deuses da sorte. A tradição kadomatsu constiste num ramo de pinheiro (longevidade), uma haste de bambu (prosperidade) e uma flor de ameixoeira (nobreza).


China: Para o Ano Novo chinês, cada porta da frente é pintada com uma camada fresca de tinta vermelha (o vermelho simboliza sorte e felicidade). Todas as facas são afastadas por 24 horas para prevenir que alguém se corte o que «cortaria» a sorte da família no próximo ano. 

Estados Unidos: O beijo partilhado à meia noite tem origem nos bailes de máscaras. As máscaras simbolizam os maus espíritos do Ano Velho e o beijo simboliza a purificação para o Ano Novo.

Noruega: na Noruega é confeccionado pudim de arroz, onde se esconde uma amêndoa que garante saúde a quem calhar a dose com a amêndoa da sorte.

Por cá uma das superstições mais comuns é comer 12 passas ao som das 12 badaladas da meia-noite, sendo que a cada passa corresponde um desejo (e até a forma como pedimos os nossos desejos deve ser executada com primor, evitando sempre o uso da palavra não devido ao negativismo). Passar o ano com dinheiro na mão ou no bolso é importante para garantir que não faltará dinheiro o resto do ano...

E como supostamente o barulho afasta os maus espíritos é comum fazer alarido com tachos e panelas à janela. A cor da roupa é importante, variando conforme o que se pretende atrair para a nossa vida:

  • Branco: paz, prosperidade, harmonia;
  • Prateado: espiritualidade, purificação;
  • Dourado: espiritualidade; riqueza;
  • Lilás: reflexão, serenidade;
  • Azul: harmonia, melhoria da comunicação;
  • Verde: saúde, equilíbrio, harmonia;
  • Vermelho: emoções fortes, paixão, sensualidade;
  • Castanho: ajuda na conquista ou melhoria de emprego;
  • Preto: desejo por mudanças fortes, conotação sexual;
  • Amarelo: atrai dinheiro;

Estas superstições chegam até à nossa roupa interior, sendo aconselhável usar cuecas azuis ou vermelhas mas definitivamente novas!

Devem também ser evitadas discussões no primeiro dia do ano! Deitar fora objectos antigos e limpar a casa, subir para cima de uma cadeira, entrar com o pé direito, saltar com o pé direito, não usar roupas apertadas, não comer aves na ceia de Ano Novo para que a felicidade não voe para longe e apostar antes em ervilhas que trazem sorte, tal como repolho, chocolate (riqueza), ostras (sexo), uvas e maçãs (união/amor)

...uff...é demasiada coisa para decorar mas pelo sim pelo não é melhor cumprir com um ou outro requisito...não vá o Diabo tecê-las...


Fontes:
Business Time
Bill Petro
Jonathan Edwards Centre (Yale University)
Ezine
Teen Kids News
Sapo Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário