Goodreads

Destaques

0 Mário Zambujal


Mário Zambujal nasceu em 1936; é um jornalista e escritor português a cuja estreia literária (1980) com «Crónica dos Bons Malandros» se seguiram «Histórias do Fim da Rua» (1983) e «À Noite Logo se Vê» (1986). O seu primeiro trabalho deu origem a uma longa-metragem de Fernando Lopes.

Além de livros, Zambujal escreveu também histórias para televisão, teatro e rádio e foi jornalista de «A Bola» e «O Jornal», bem como subchefe da redação de «O Diário de Lisboa», chefe de redação de «O Século», diretor-adjunto do «Record», diretor do «Mundo Desportivo» e dos seminários «Se7e» e «Tal & Qual», subdiretor do Canal 2 da RTP e apresentador de vários programas televisivos. 


Livros de Mário Zambujal:
  • Fora de Mão (Oficina do Livro, 2003);
  • Os Novos Mistérios de Sintra (Oficina do Livro, 2005);
  • O Código D'Avintes (Oficina do Livro, 2006);
  • Primeiro as Senhoras (Oficina do Livro, 2006);
  • À Noite Logo se Vê (Oficina do Livro, 2007);
  • Já Não se Escrevem Cartas de Amor (A Esfera dos Livros, 2008); 
  • Uma Noite Não São Dias (Editorial Planeta, 2009);
  • Dama de Espadas (Clube do Autor, 2010);
  • Crónica dos Bons Malandros (Clube do Autor, 2011);
  • Longe é Um Bom Lugar (Clube do Autor, 2011);
  • História do Fim da Rua (Clube do Autor, 2012);
  • Cafuné (Clube do Autor, 2012);
  • Serpentina (Clube do Autor, 2014);
  • Talismã (Clube do Autor, 2015);

Fora de Mão 
Há nesta colectânea contos e crónicas ou mesmo contos-crónicas, arte mista em que Zambujal é mestre: dois dedos de psicologia, uma pitada de atmosfera, um grão de inconveniência e muita graça. Por vezes, dialogando com o leitor, brincando com as palavras, Mário Zambujal oferece-nos flashes de existências banais-extraordinárias, que a vida é amiúde mais inverosímil e absurda do que qualquer fértil imaginação possa concebê-la. 

Editor: Oficina do Livro (2003)
Género: Poesia
Páginas: 164


Os Novos Mistérios de Sintra
Gonçalo, um professor de História, vê-se fechado no Palácio da Vila numa estranha sala pentagonal sem saída. Desmaia e, quando acorda, tem na mão uma chave que pode dar acesso a um tesouro antiquíssimo e desencadeia uma inquietante e movimentada aventura. Sob a presença da Serra da Lua, tão imponente como propícia ao mistério, o leitor vai cruzar-se com misteriosos encontros no poço esotérico da Quinta da Regaleira, viagens pela nossa História onde se encontram Templários e maçons, um satanista duvidoso, venenos instantâneos, amores oblíquos, uma intriga internacional, um assassinato inexplicável, e tudo o mais que adiante se verá. Este romance é acima de tudo um grande divertimento de sete escritores que se encontraram pelo puro prazer de inventar uma história e de escrever cada um a sua fatia com mestria e sem preconceitos.

Editor: Oficina do Livro (2005)
Género: Ficção 
Páginas: 248


O Código D'Avintes
Tudo começa em torno da trama sinistra do Conclave dos Cavaleiros Teutónicos da Nova Ordem que quer dominar o mundo sem olhar a meios. 
Por seu lado, Isaías Pires, professor de medicina expulso da Ordem por práticas pouco ortodoxas, pertencente a uma outra organização que se opõe aos intuitos pérfidos do Conclave, sofre um trauma e desata a falar aramaico, língua corrente no tempo de Cristo na Palestina e logo a seguir começam a morrer patos e pombos por todos os cantos. 

De repente, todos os personagens, o anjo Gabriel e a sua Sara, Lilith, delirante diva, a Arminda do bar do hospital, o doutor Fraga, a padeira de Avintes, o ex-inspector Nuno Costa, o professor Aquilino, especialista em línguas mortas, e outros mais, bons e maus, desatam a procurar antiquíssimas relíquias sagradas que podem conferir um poder indescritível àqueles que as possuírem. 

O cúmulo é que a chave do código para chegar a essas relíquias está escondido justamente numa bela terra à beira do Douro e, por isso mesmo, ficará para sempre conhecido por O Código d'Avintes.


Editor: Oficina do Livro (2006)
Género: Ficção 
Páginas: 252


À Noite Logo se Vê
À Noite Logo Se Vê é o relato hilariante das andanças de Mino, investigador do sobrenatural, na procura de explicações para acontecimentos extraordinários. De passagem, vai-se detendo em não menos fascinantes episódios da vida terrena, como a viagem do narrador e sua namorada, Natinha, numa noite de denso nevoeiro; a ascensão social de um homem de sete ofícios incompreendido pela cara-metade; a estratégia de Quinzinho Pontual na sua ambição de matar o tempo; a odisseia do pugilista gordo em vésperas de combate; o único descuido do velho repórter especializado em notícias de desastres; o inquietante mistério de Roseiral.
Fantasiando o mundo real e parodiando o da fantasia (este livro foi publicado, inicialmente, numa colecção alusiva ao Fantástico) Mário Zambujal prende o leitor à sua escrita ágil em que a originalidade e o humor se unem para o prazer da leitura.


Editor: Oficina do Livro (2007)
Género: Ficção 
Páginas: 168


Já Não se Escrevem Cartas de Amor
Duarte é um jovem bon vivant, que, entre as noites glamorosas passadas no Grande Casino Internacional do Estoril, as tardes de café no Chave D’Ouro, no Palladium ou no Martinho do Rossio e a vida boémia nas boîtes da capital, vê o seu coração ser arrebatado por uma jovem alta, esguia, loura e de sorriso luminoso, de nome Erika. Mário Zambujal transporta-nos, nesta novela de prosa clara e original, pautada de humor, imaginação e sensibilidade, numa viagem de imagens e memórias, à Lisboa dos anos 50. Uma época de apetites e excessos. De paixões e desventuras. Era um tempo em que havia tempo. Até se escreviam cartas de amor.


Editor: A Esfera dos Livros (2008)
Género: Romance

Páginas: 186



Uma Noite Não São Dias
Na Avenida Vertical, nome de uma torre habitacional de 98 andares, símbolo citadino do ‘esquisito ano de 2044’, ocorrem dois misteriosos assaltos: o roubo de um helicóptero no heliporto que encima o edifício e o roubo de uma coroa de uma rainha portuguesa na Praça das Artes, uma das várias praças interiores. Nesta atmosfera de mistério desfilam as personagens principais: Antony, um historiador, a mulher Grace e o amigo escultor, James.
Segundo a editora Planeta, "Uma noite não são dias" é "uma crónica inteligente da época em que vivemos". Para além disso, a perspectiva original sobre as presumíveis evoluções que encontramos caricaturadas na prosa ágil de Mário Zambujal "leva o leitor do sorriso à gargalhada


Editor: Editorial Planeta (2009)
Género: Romance
Páginas: 128


Primeiro as Senhoras
Primeiro as Senhoras não é uma continuação da Crónica dos Bons Malandros, o best-seller que revelou Mário Zambujal como um autor de surpreendente originalidade e humor. Mas neste livro voltamos a encontrar um "bom malandro" com as suas aventuras, fantasias e emoções. 
A história conta-se num depoimento do protagonista a um silencioso inspector da Polícia que, tal como os leitores, página a página vai conhecendo o currículo da personagem e os passos de um golpe que o levou a passar nove dias sequestrado. Sem perder de vista o destino da viagem, o passageiro é convidado a ir-se demorando em sucessivos apeadeiros, onde não faltam motivos para uma boa gargalhada ou para um gostoso sorriso de cumplicidade.


Editor: Oficina do Livro (2006)
Género: Romance
Páginas: 152


Dama de Espadas
Com o seu admirável ritmo narrativo e clareza de escrita salpicada de humor, Mário Zambujal apresenta-nos Eva Teresa, garota de onze anos, e Filipe, rapaz de dezoito, que namora com a irmã, Rosália. Há uma grande empatia entre a pequena e o futuro cunhado, mas a vida afasta-os com a viagem da família para o Brasil. Eva torna-se mulher e Filipe acaba por se apaixonar por ela, levando-o a viajar ao seu encontro. Entre episódios imprevisíveis que enlaçam mistério e comicidade, ambos só se reencontram em Sintra onde iniciam um romance atribulado. 
No seu estilo inconfundível, Mário Zambujal traz-nos uma obra em que se aliam a vontade de saborear cada passo da trama e o prazer da leitura.


Editor: Clube do Autor (2010)
Género: Ficção
Páginas: 220


Crónica dos Bons Malandros
Sinto-me sequestrado por estes bons malandros". Aos livros que fui escrevendo, e outros que venha a escrever, não lhes valem possíveis méritos. Mais de trinta anos depois de saltarem à cena, sem outra pretensão do que fazer sorrir circunstanciais leitores, os bons malandros não arredam pé e ganharam a afeição de gerações sucessivas. Nada mais surpreendente, para quem lhes deu vida, esta longevidade que permite divertir jovens de hoje, tal como acontecera com seus pais e mesmo avós. Aqui se apresenta uma nova (e esmerada) edição de um livro que já galgou pelo cinema e pelo teatro e ameaça novos estrondosos cometimentos. Entretanto, o que o autor ambiciona é o mesmo de sempre: proporcionar prazer de leitura a quem se dispõe à descoberta das singulares aventuras destes bons malandros. Se eles vos divertirem, cumprem o seu destino."


Editor: Clube do Autor (2011)
Género: Ficção 
Páginas: 148


Longe é Um Bom Lugar
Tânia Dulce é uma jovem com uma ampla capacidade para amar e cede aos rogos do Doutor Ângelo, narrador de uma movimentada relação de desfecho imprevisível. Médico com sonhos de romancista, o doutor Ângelo percorre caminhos paralelos, do romance real com Tânia Dulce e da trama ficcional que se esforça por escrever. E porque o resto são (também) histórias, o leitor acompanha uma sequência de pequenas ficções, originalmente publicadas na revista Tempo Livre, do Inatel, com o estilo inconfundível a que podemos chamar de zambujalesco. Em Longe É Um Bom Lugar (o resto são histórias), Mário Zambujal volta a cativar os leitores pelo ritmo vivo da prosa em que avultam as surpresas, o humor e a reflexão acerca de cumprimentos e situações.

Editor: Clube do Autor (2011)
Género: Romance
Páginas: 156


História do Fim da Rua
O regresso de Histórias do Fim da Rua, uma novela que decorre numa velha rua de Lisboa, condenada a desaparecer devido aos planos urbanísticos. O mesmo destino parece aguardar o casamento de Sérgio e Nídia, moradores recentes na casa nobre da artéria humilde. Os passos do romance ameaçado cruzam-se com os alvoroços e memórias dos habitantes de sempre, numa narrativa plena de sensibilidade e humor. Mais uma obra onde Mário Zambujal conduz o leitor ao riso, ao sorriso e à reflexão.

Editor: Clube do Autor (2012)
Género: Ficção 
Páginas: 150


Cafuné
Cafuné centra-se na figura de Rodrigo Favinhas Mendes, um bom malandro que não resiste aos encantos femininos e que se torna amigo de um ex-frade, Frei Urbino de Santiago, que acaba por ser o seu conselheiro e zelador espiritual. É que Rodrigo tem um coração gigante onde cabem muitas mulheres bonitas, dispostas a um carinho que ele é incapaz de recusar.

Editor: Clube do Autor (2012)
Género: Romance
Páginas: 244



Nenhum comentário:

Postar um comentário